slideslideslideslideslideslide

Chaco & Espinal projects

Desafios para a coexistência: humanos e mamíferos no Chaco Seco

O Chaco Seco argentino é uma ecorregião que cobre 490.000 km2 e faz parte do bioma Gran Chaco. Este bioma compreende a segunda maior floresta da América do Sul e se estende ao norte pelo Paraguai e ao sul da Bolívia. O Chaco Seco da Argentina é um hotspot global de desmatamento onde a onça-parda é o único predador de topo, dada a recente extinção ecológica da onça-pintada. A rápida expansão da agricultura e pastagens que está ocorrendo no Chaco Seco, combinada com a caça estão causando a redução e a extinção local de muitas espécies, e requerem uma compreensão mais profunda do que pode ser feito para promover a coexistência entre pessoas e vida selvagem nessas paisagens em grande parte modificado por humanos.

Através do uso de armadilhas fotográficas e entrevistas a residentes locais, estamos avaliando os fatores que possibilitam a persistência de mamíferos de médio e grande porte nos agroecossistemas do Chaco Seco Argentino e suas interações com a população local. Estamos nos concentrando em espécies ameaçadas de extinção e carnívoros. A onça-parda e o gato-do-monte-grande são os felinos mais comuns na região, mas também as espécies que requerem ações de conservação por causa da perda de habitat e perseguição da população local e de caçadores de cidades adjacentes. Também estamos coletando informações sobre o gato-mourisco e uma população recentemente descoberta do gato-palheiro.

Estamos planejando usar uma abordagem participativa para envolver as comunidades locais no uso de métodos não letais para reduzir a predação de carnívoros em animais domésticos, ciência cidadã e educação para a conservação para melhorar a imagem dos gatos selvagens, especialmente entre crianças em escolas rurais.

Membros: Mauro Lucherini e Sofia Nanni.

Conflitos entre carnívoros e pecuária no sul de Espinal

O Espinal é uma ecorregião endêmica da Argentina caracterizada por uma mistura de pastagens e matagais. Porém, ao longo dos últimos séculos, esses habitats naturais foram quase totalmente convertidos em ranchos, especialmente na porção sul e árida de sua distribuição, localizada na província de Buenos Aires.

Este projeto começou há vários anos usando armadilhas fotográficas e entrevistas com a população local para avaliar o estado de conservação dos carnívoros e seus conflitos com os humanos, e mostrou que apesar da extensa modificação e perda de habitats naturais, esta é a parte mais ao sul da América do Sul, onde quatro espécies de felinos ainda coexistem.

A onça-parda e o gato-do-mato-grande ainda são relativamente comuns, mas também estão cada vez mais ameaçados pela caça retaliatória frequente para predação de animais domésticos e uso generalizado de iscas envenenadas. O impacto dessas ameaças sobre o gato-palheiro e o gato-mourisco ainda não está claro, mas suspeitamos que as densidades populacionais muito baixas desses dois felinos se devem principalmente à perda de habitat.

Nos últimos anos, devido à urgência dessas questões, nos concentramos em ações de conservação. Estamos agora testando ferramentas para reduzir as perdas causadas pela predação sobre o gado (principalmente cães de guarda de gado e luzes dissuasivas), implementando atividades de conscientização e apoiando agências governamentais no desenho de estratégias para favorecer a coexistência entre carnívoros e fazendeiros.

Membros: Mauro Lucherini, Estela Luengos Vidal, Sabrina Martinez, Nicolas Caruso

 

Tecnologia do Google TradutorTradutor