slideslideslideslideslideslide

Ecologia trófica dos pequenos felinos simpátricos do Pampa brasileiro

A região Neotropical apresenta uma rica diversidade de felídeos, com muitas espécies ocorrendo em simpatria. Especialmente na região do Pampa do sul do Brasil, os pequenos felinos apresentam graus de sobreposição em diversos aspectos ecológicos, como uso do habitat, padrões de atividade e tamanho, o que pode sugerir a existência de competição interespecífica. Apesar de isso torná-los um bom modelo para entendermos como espécies proximamente relacionadas coexistem em um mesmo habitat, esta região ainda carece de muitos dados básicos sobre eles.

Informações sobre hábitos alimentares são essenciais para o entendimento do papel desses predadores no ambiente e seu impacto nas populações de presas. Este estudo, iniciado em 2013, teve como objetivo descrever comparativamente a dieta do gato-do-mato-grande (Leopardus geoffroyi), do gato-maracajá (L. wiedii), do gato-palheiro (L. munoai) e do gato-mourisco (Herpailurus yagouaroundi), avaliando sobreposição de nicho e aspectos de seus hábitos no Pampa brasileiro. Para isso, foram utilizados os conteúdos estomacais de 98 indivíduos, todos recolhidos como consequências de atropelamentos nas principais rodovias do Rio Grande do Sul. Os resultados completos foram publicados em 2018 na revista científica PLoS ONE (https://doi.org/10.1371/journal.pone.0201257).

Os felinos coletados durante e após este trabalho estão depositados no Museu de Zoologia do Pampa, sediado no Laboratório de Biologia de Mamíferos e Aves (LABIMAVE) da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). Quando possível estes foram taxidermizados e incluídos na coleção científica como espécimes testemunho. 

Membros: Raissa Prior Migliorini, Felipe Bortolotto Peters, Marina Ochoa Favarini e Carlos Benhur Kasper.

Tecnologia do Google TradutorTradutor